No mundo contemporâneo, as ameaças terroristas são notícias recorrentes, assumindo proporções cada vez mais alarmantes. No mês dedicado à investigação de temas controversos, o canal Odisseia explora os meandros do “Terrorismo” com a exibição de seis documentários imperdíveis, para ver de 6 a 10 de março, que analisam aquela que é considerada a grande ameaça do século XXI

Desde a sua criação que o autodenominado Estado Islâmico invadiu o espaço mediático. Os crimes brutais aparecem em todos os ecrãs do mundo e a sua propaganda satura a internet. Copiando os códigos da cultura popular globalizada, videojogos como “Call of Duty” ou “Assassin’s Creed”, filmes como “Saw” ou “Sete Pecados Mortais” e inclusive reality shows, o Estado Islâmico conseguiu construir a maquinaria propagandística mais poderosa desde o Nazismo e a Guerra Fria.

Mas para entender como funciona, é preciso ir à fonte, encontrar aqueles que fazem estes filmes. A 6 de março, pelas 22h00, no documentário “Terror Studios” conheceremos a opinião de especialistas na indústria audiovisual e no terrorismo, de ex-combatentes e membros do DAESH, num trabalho impressionante que desvenda, pela primeira vez, como é que os soldados são atraídos em todo o mundo, como foi criado e como funciona o grande estúdio de comunicação do Estado Islâmico, uma verdadeira produtora do terror estruturada em seis áreas (religião, imprensa escrita, rádio, notícias locais e produção de vídeos) e que conta com mais de 30 gabinetes de comunicação em vários países e recursos económicos quase ilimitados.

A 7 de Março, pelas 22h00, o canal Odisseia estreia “Captagon, o Breaking Bad dos Jihadistas”, um documentário surpreendente que aborda a importância desta droga altamente popular que corre de forma rápida e disseminada nas fileiras do Estado Islâmico.

Composta em grande parte por cafeína e fenetilina, uma anfetamina, o Captagon é um estimulante que melhora a atenção e o rendimento cognitivo, reduzindo o cansaço, a fome e sono, mantendo um estado de alerta por mais tempo.

Apesar do pouco uso no Ocidente, no Médio Oriente já foi considerada um problema de saúde pública, sendo muito usada na Síria, Líbano e Arábia Saudita. Desde 2013, que a sua produção disparou na Síria, com acusações entre o governo e rebeldes do uso desta droga para melhorar o desempenho dos combatentes.

Estima-se que o seu contrabando gere milhões de euros de lucro na Síria, que poderão estar a ser usados na compra de armas. Segundo um relatório das Nações Unidas, “o tráfico da anfetamina Captagon da Síria para a Turquia estará a aumentar, como é indicado pela apreensão de 4,2 milhões de embalagens em abril de 2013″.

“Síria as legiões da Guerra Santa” é um documentário impressionante para ver a 8 de março, pelas 22h00, sobre o dia-a-dia de uma equipa de jornalistas que conseguiu mergulhar em exclusivo, durante algumas semanas, em algumas das fações jihadistas mais sanguinárias da Síria.

A 9 de março, pelas 22h00, o Odisseia  exibe “O financiamento do Daesh”, um trabalho que ajuda a perceber os meandros da poderosa estrutura financeira do Estado Islâmico, a organização terrorista mais poderosa e rica no mundo.

Este bloco de documentários encerra a 10 de março, pelas 22h00, com “Os ataques de Paris”, um documentário surpreendente que inclui testemunhos de sobreviventes e de autoridades que relatam um ano de terror depois de um dos ataques terroristas mais sangrentos da sua história que levou Hollande a declarar estado de emergência em todo o território francês, na sequência de “ataques terroristas sem precedentes”.

Até ao final do mês de Março, o canal Odisseia continua a explorar o tema investigação em mais três blocos de documentários dedicados aos universos da Tecnologia, Dinheiro e Armas. A ameaça cibernética, o golpe do século “Papéis do Panamá”, o tráfico de mercadorias falsificadas, o negócio da banca do Vaticano, o poder das armas nos EUA, ou a revolução dos drones, são alguns dos temas abordados nesta programação especial.